Bariátrica para quem?

Histórico da cirurgia bariátrica

A cirurgia bariátrica (do grego baros=peso) passou a ser realizada nos Estados Unidos, na década de 1950. Sua eficácia na perda de peso e controle das doenças clínicas relacionadas à obesidade (diabetes, hipertensão arterial, apneia do sono) se estabeleceu através de evidências científicas.

Importante ressaltar, que ao longo destas décadas, houve aperfeiçoamento das técnicas cirúrgicas de bariátrica com aumento da segurança associada ao procedimento. Consequentemente nestes 70 anos, se elevou ao tratamento mais eficaz para obesidade grave. Caracterizando-se por ser o tratamento para obesidade grave que proporciona a maior perda de peso e redução de mortalidade .

Quais são as indicações clínicas para realização da cirurgia bariátrica?

A indicação cirúrgica para tratamento da obesidade grave ocorre quando a pessoa apresenta um índice de massa corporal (IMC=Peso Kg/ (Altura metros2):

  • IMC maior ou igual a 35 Kg/m2, associado a algum problema clínico da obesidade;
  • IMC maior ou igual a 40 Kg/m2.

Considerando estas indicações para o tratamento cirúrgico da obesidade grave, também deve ser avaliado qual o histórico de tratamentos clínicos (medicamentos, abordagem comportamental) realizados previamente para que se possa estabelecer uma adequada indicação.

E os aspectos emocionais como são considerados nesta indicação para cirurgia bariátrica?

Quando se considera a perspectiva emocional, sintomas e diagnósticos psiquiátricos por muito tempo foram colocados como limitantes para que se realizasse a cirurgia bariátrica. Entretanto, nos últimos anos, com os estudos na área de saúde mental com obesos graves e aqueles que se submeteram à cirurgia , foi se evidenciando que a questão principal não é a presença/ausência de problemas emocionais.

Um ponto fundamental a ser discutido é que esta população com obesidade grave pode apresentar em maior proporção algumas questões emocionais (exemplos: depressão, compulsão alimentar, impulsividade). No pré-cirúrgico estas questões emocionais podem não serem abordadas, ou não tratadas de forma adequada. Consequentemente contribuindo para prejuízos no resultado cirúrgico. https://www.vidanovametabolica.org.br/obesidade-saude-emocional/

O principal ponto a ser discutido no aspecto emocional, nesta população que realiza a cirurgia bariátrica, não se limita a definir qual o diagnóstico psiquiátrico presente. A questão é enfatizar que ocorrerá a perda de peso através da bariátrica, mas para que mantenha esta perda de peso, um grupo de pessoas necessitará de acompanhamento no pós-bariátrica de um maior suporte da saúde mental (psicologia/psiquiatria). Na realidade, o preparo adequado para que seja realizada a cirurgia bariátrica, assim como a compreensão pelo paciente de qual será seu compromisso no pós-operatório.

A cirurgia bariátrica é para quem não respondeu ao tratamento clínico para obesidade grave, realizado com supervisão profissional, apresenta as indicações que configuram a necessidade do tratamento cirúrgico e fundamentalmente pode “cuidar” de sua bariátrica.

O que seria este cuidado?  

  • Mudança de hábitos alimentares e realização de atividade física;

  • Adesão as orientações da equipe de cirurgia (nutricionista, cirurgião, médico clínico, psicólogo, psiquiatra);

  • Uso dos complementos vitamínicos;

  • Entender a importância do cuidado da saúde mental para que se adapte as mudanças que a cirurgia promoveu; tratamento de forma adequada de diagnósticos psiquiátricos (depressão, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, uso abusivo/dependência de álcool, transtorno da compulsão alimentar, risco de suicídio e automutilação).
Inscreva-se para receber nossa newsletter e fique por dentro de tudo o que há de novo aqui no Portal da Mente!

Relacionados.

Fui por aí, volte após o horário de almoço

Ouvi falar que existia um tempo do horário de almoço. Existiam refeições nas mesas e as pessoas até conversavam sobre algo, que não era produtivo. Bastava colocar a comida no prato, acomodar os talhares e mastigar. Acreditem, havia que se

Ver +
Psicodélicos, depressão e a realidade

Psicodélicos, depressão e a realidade

Nos últimos vinte anos, a psicodelia voltou com maior vigor ao meio científico. Em especial no cenário da psiquiatria e das neurociências, em que estudos clínicos passaram a explorar dentro do modelo científico, se estes agentes químicos que promovem uma

Ver +
não-olhem-pra-cima (1)

Não olhem para cima! Olhem bem para baixo mesmo

Sugiro aos incautos que deem uma conferida antes da leitura abaixo no filme “Não olhe para cima”, 2021, da Netflix, ou mesmo aquele Google da sabedoria instantânea. Claro que os curiosos podem ler do jeito que quiserem ou até mesmo

Ver +